Iata pede apoio governamental para incentivar o uso de combustível sustentável

Por Sou do RN em 22/06/2022 às 18:21:50

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) pediu aos governos incentivos em grande escala aumentar o uso de combustíveis de aviação sustentáveis (SAF) em apoio ao compromisso do setor de atingir zero emissão líquida de carbono até 2050.

A estimativa atual indica que o uso do SAF seria responsável por 65% da mitigação de carbono da aviação em 2050, exigindo que a capacidade de produção anual de 449 bilhões de litros. É válido pontuar que já foram feitos investimentos para expandir a produção dos atuais 125 milhões de litros para 5 bilhões até 2025.

“Os governos não precisam inventar um manual. Os incentivos para a transição da produção de eletricidade para fontes renováveis, como solar ou eólica, deram certo. Agora, as soluções de energia limpa são baratas e estão amplamente disponíveis. Com incentivos semelhantes para SAF, poderíamos ter 30 bilhões de litros disponíveis até 2030. Mesmo longe de onde precisamos estar, seria um ponto decisivo no nosso compromisso de zero emissão líquida com amplas quantidades de SAF a preços acessíveis”, disse Willie Walsh, diretor geral da Iata.

Outras tecnologias

Para fornecer políticas consistentes e a estabilidade de longo prazo necessária para os investimentos, a indústria da aviação pede a todos os governos que apoiem a adoção de uma meta climática de longo prazo para o transporte aéreo na 41ª Assembleia da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI), que será realizada em setembro, alinhada aos compromissos do setor.

Essa meta climática é fundamental para apoiar as ambições de descarbonização do setor e forneceria uma estrutura de ação multilateral global sem distorcer a concorrência.Aeronaves movidas a hidrogênio e a eletricidade fazem parte do plano da aviação de atingir zero emissão líquida até 2050, porém estão limitadas a rotas de curta distância.

“Os sistemas de energia elétrica e/ou hidrogênio provavelmente estarão disponíveis para voos comerciais de curta distância até 2035, mas a maior parte das emissões é de voos de longa distância e para combater essas emissões, o SAF é a única solução comprovada. Sabemos que funciona, então precisamos dobrar nossos esforços para envolver todos os grupos envolvidos do setor, incluindo governos, para aumentar a produção, disponibilidade e aceitação”, disse Sebastian Mikosz, vice-presidente sênior de meio ambiente e sustentabilidade da IATA.

 

Fonte: Mercado e Eventos

Comunicar erro
zap1 baner2

Comentários